Segunda-feira, 17 de Agosto de 2009

Como contar uma boa história no Twitter

 

Se há coisas em que o twitter não é bom é a contar boas histórias. O nascimento de um bebé é uma história impossível de contar nos 140 caracteres do Twitter,  no entanto, Sara Morishige Williams (@sara), esposa do CEO e cofundador do Twitter, num golpe de marketing que trouxe novamente o Twitter para o maninstream, twittou o nascimento do seu filho enquanto dava à luz.

 

Esta iniciativa para além de ter sido das mais comentadas e referenciadas dos últimos tempos, gerou notícias nos principais media de todo o mundo, o que demonstra bem o potencial mediático que o Twitter consegue alavancar.

 

Para mim esta história está mal contada e se era para mostrar ao mundo o potencial do twitter, então os twitts deviam ter começado há 9 meses atrás durante a concepção do recém-nascido e depois durante todo o periodo de gestação, criando um verdadeiro envolvimento e interactividade com os seus followers.
tags:
publicado por uriel oliveira às 11:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
partilhar
Sábado, 1 de Agosto de 2009

O dia em que o Bill Gates saiu do Facebook

 

Não sei se a saída do Bill Gates do Facebook terá segundas intenções, ou não, afinal a Microsoft tem interesses no Facebook, mas também tem outros interesses, nomeadamente no que poderá ser o futuro da própria internet. Ninguém se pode esquecer que há 4 anos não existia Twitter e o Second Life era o que estava a dar! Acredito que o futuro não se esgote no Google, no Facebook, no MSN ou no Twitter e que está a ser planeado hoje…
 

No entanto, as razões que evoca para a saída parecem-me perfeitamente normais; ter  10.000 pessoas a adicionarem-no como amigo, parece-me muita gente!
De facto, a forma como algumas pessoas se posicionam nas redes sociais, construindo redes com milhares de contactos directos, parece-me que descaracteriza a própria essência destas redes. Afinal as redes sociais podem ser verdadeiramente úteis e divertidas, na medida em que nos conseguem aproximar dos nossos amigos, dos nossos conhecidos, de pessoas que não encontrávamos há imenso tempo, de pessoas que admiramos e eventualmente de pessoas com quem partilhamos interesses. Tudo o que for mais do que isto, e principalmente numa proporção exagerada, não tem qualquer piada. Acredito que o excesso de informação não é proporcional ao excesso de conhecimento, conduz sim ao perfeito desconhecimento.
O Twitter é a rede social mais permissiva a esta lógica, não é por acaso que cerca de 60% dos novos utilizadores desistem passado um mês. Não existindo a necessidade de autorizar os seguidores, e usando as “regras” de boa educação desta rede social, de seguir, quem nos segue, rapidamente se podem construir redes com milhares de pessoas. Aliás, com base nesta “regra” de boa educação do Twitter, reside o segredo do marketing pessoal na rede e faz com existam várias pessoas que seguem mais de 5.000 pessoas e são seguidas por um número idêntico de pessoas em Portugal e de várias centenas de milhar nos Estados Unidos.
 

Aqui fica uma reflexão sobre um marco que ficará para sempre na história das redes sociais: o dia em que o Bill Gates saiu do Facebook.

publicado por uriel oliveira às 10:09
link do post | comentar | favorito
partilhar
Sexta-feira, 8 de Maio de 2009

Twittar o quê e para quem?

 
A grande maioria dos utilizadores do Twitter não sabe quais os conteúdos que deve comunicar neste canal. Afinal o que significa “O que estou a fazer? ”, tendo como audiência diferentes seguidores, que não têm necessariamente os mesmos interesses?
Como em qualquer meio de comunicação, os conteúdos a comunicar no Twitter devem adaptar-se aos diferentes públicos, quer se trate de uma presença individual, de uma empresa ou de uma organização.
Ao nível individual a coisa pode tornar-se complicada, vejam por exemplo, se formos advogados e praticantes de surf e os nossos seguidores foram surfistas e pessoas com interesses na área do direito, quando fazemos um tweet a dizer como está o mar hoje, é um conteúdo extremamente interessante para os nossos amigos surfistas e nada interessante para os nossos amigos advogados.
Eu confesso que ainda me estou a adaptar e tentar compreender qual a expectativa dos meus seguidores em relação aos meus twittes e por isso por agora, limito-me a comunicar os novos posts que vou tendo no meu blogue...
Ao nível das empresas e das organizações penso ser mais fácil comunicar de acordo com as expectativas do nosso público, mas mesmo assim, é necessário algum trabalho de conhecimento sobre este meio e fundamentalmente sobre as expectativas dos públicos no Twitter.
Vejamos, por exemplo o que se passa actualmente com os meios de comunicação social presentes no Twitter, a grande maioria limita-se a twittar as últimas notícias das suas edições, o que a mim como seguidor, me irrita e me incentiva a deixar imediatamente de os seguir. A minha expectativa como seguidor destes meios, não é saber as últimas notícias do dia! Se fosse essa a minha pretensão, seria muito mais fácil e lógico consultar os seus sites ou subscrever os seus feeds.  A minha expectativa em relação aos órgãos de comunicação social no Twitter é que elas possam partilhar conteúdos e referências que me permitissem conhece-los melhor e eventualmente poder interagir com eles.
Em resumo, o Twitter é de facto um canal de comunicação espectacular, mas o desconhecimento e a falta de estratégia em relação aos conteúdos a veicular neste canal, pode fazer com que grande parte dos seus utilizadores, acabem por desistir. Na verdade, não me surpreenderam os resultados de um estudo da Nielsen online que conclui que mais de 60% dos utilizadores da rede social Twitter deixam de utilizar o serviço um mês depois de abrirem uma conta.
tags:
publicado por uriel oliveira às 17:41
link do post | comentar | favorito
partilhar
Sábado, 28 de Março de 2009

Gerir reputação a twittar

 

 

 

A simplicidade, disponibilidade e interactividade do Twitter estão possivelmente na base do seu sucesso e da sua rápida propagação na rede. Estar ao lado do nosso cliente no mesmo espaço, ao mesmo nível e com as mesmas condições, muda por completo a teoria da comunicação de massa conforme a aprendemos e obriga-nos a reposicionar por completo a forma como comunicamos e como gerimos reputação.

 
Como estar no Twitter quando somos uma empresa ou uma organização, parece-me uma boa questão para reflectir no âmbito desta temática. Assim, aqui ficam algumas ideias.
 
O primeiro passo para gerir reputação no Twitter é saber o que se diz no Twitter sobre a nós. Ter um sistema de monitorização é fundamental para poder intervir na comunicação espontânea que a nossa marca vai gerando dentro desta comunidade.
 
Depois avaliar qualitativamente os conteúdos, particularmente os positivos e os negativos, descartando as referências circunstanciais. O cruzamento da análise qualitativa com a relevância dos emissores, avaliada em função da sua network, permite-nos orientar a estratégia de actuação e prever os efeitos desta informação. Quanto mais followers o indivíduo tiver, maior a sua capacidade de influência.
A informação negativa deverá ter uma intervenção imediata, de forma a evitar rumores. A empresa deve assumir a sua posição em relação ao assunto de forma pragmática e sem deixar espaço para dúvidas. A empresa deve identificar-se e disponibilizar-se para esclarecer todas as questões que venham a surgir neste âmbito.
A informação positiva deve ser acompanhada atentamente de forma a avaliar os efeitos e poder tirar partido da discussão. Tratando-se de opiniões espontâneas ou tendências, deve evitar-se participar em nome próprio. A existir participação deve ser feita em nome de um ou mais consumidores para podermos maximizar e controlar os efeitos.
 
Na proactividade, ou seja, tudo o que partilhado pela empresa aos seus followers,  deve ter-se especial atenção que os conteúdos devem ser breves e construídos especificamente para 140 caracteres. Devem ser partilhados fundamentalmente eventos e iniciativas que possam motivar a interacção com os consumidores. As acções de comunicação no Twitter devem procurar a reacção da comunidade, criar interactividade e incentivar o WOM (word of mouth) .
 
E como já ultrapassei em muito os 140 caracteres, por hoje fico por aqui com a promessa de ir partilhando ideias, reflexões e experiências sobre esta temática e já agora aqui fica o meu Twitter :): http://www.twitter.com/urieloliveira
tags:
publicado por uriel oliveira às 13:56
link do post | comentar | favorito
partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. Como contar uma boa histó...

. O dia em que o Bill Gates...

. Twittar o quê e para quem...

. Gerir reputação a twittar

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds