Domingo, 19 de Dezembro de 2010

Os ratos da política

 

Carlos Encarnação demitiu-se da presidência da Câmara Municipal de Coimbra por estar farto de aturar o governo. Assim abandona a cidade que o elegeu e ignora o compromisso assumido com as pessoas que confiaram nele e que lhe deram o seu voto há pouco mais de um ano.

Mas afinal quem não esta farto deste governo, da crise, do aumento dos impostos, do trânsito, da chuva, do chefe ou de qualquer outra coisa!?

 

Também concordo que este governo tem tratado mal a cidade de Coimbra, que o cancelamento do projecto do Metro é escandaloso, irresponsável e revela bem que este governo que não sabe o que anda a fazer, por onde quer ir e onde quer chegar. Contudo não creio que qualquer que seja a política do governo, justifique a demissão de um presidente da Câmara eleito pela população da cidade e como tal ao seu serviço.

Não sei o que ensinam na escola a estes políticos, mas se há um valor importante na vida é o respeito pelos outros, em democracia, o respeito pelas pessoas que anonimamente elegem os seus políticos, a quem confiam os destinos do seu pais através do voto.

 

Infelizmente se formos a ver bem, esta atitude de rato que abandona o navio, não é propriamente nova na nossa praça política. Ainda que por razões diferentes, Antonio Guterres e Durão Barroso também fizeram tábua rasa do compromisso sagrado entre eleitor e eleito ao demitiram-se dos cargos para que foram eleitos.

Neste capitulo, apesar de todos os defeitos do nosso primeiro ministro José Sócrates, de eu não me rever na sua política e de não fazer parte do seu eleitorado, tenho que lhe reconhecer e elogiar a sua perseverança, persistência e atitude, que apesar de todas as contrariedades, continua a comportar-se como capitão deste navio que parece querer naufragar.

publicado por uriel oliveira às 21:13
link do post | comentar | favorito
partilhar
Quarta-feira, 11 de Agosto de 2010

Era uma vez na América...

 

Portugal e o investimento nas energias renováveis esteve em grande destaque no The New York Times. (aqui)

Um bom trabalho de comunicação que resultou num artigo de grande relevo, com direito a chamada de primeira página, que vem empolgar o sentido de oportunidade do investimento português nas energias renováveis como forma de reduzir a dependência do país nos combustíveis fósseis e que coloca a favorabilidade do governo português e o primeiro ministro José Sócrates em alta acentuada.

Como não acredito em notícias destas sem trabalho de fundo de RP, é de salientar a inteligência de quem a promoveu, sobretudo se considerarmos a má favorabilidade que os media nacionais têm envolvido todos os assuntos que envolvem o governo e o primeiro ministro José Sócrates. Em comunicação política, por vezes, a inspiração necessária para contrariar tendências negativas tem que vir de fora. Se vier dos USA, tanto melhor.

Apenas um reparo, a imagem dos portugueses na América continua longe de ser a desejável. Reparem aqui na foto de José Cristino, o agricultor que ilustra a notícia...

publicado por uriel oliveira às 13:02
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar
Quarta-feira, 31 de Março de 2010

O novo líder do PSD

 

O novo líder do PSD foi eleito pelas pessoas, população em geral, que ao manifestarem convictamente a opinião que ele era o melhor líder para o partido e principalmente o melhor para poder suceder a José Sócrates como primeiro-ministro, influenciaram e convenceram os militantes do partido, que era capital a sua ascensão a líder.

 

Esta ruptura, incómoda para algumas estruturas internas do partido que esvaziam assim a sua capacidade de influência, parece-me indiciar uma estratégia que conceptualmente apontou a sua mensagem ao eleitorado e não aos decisores do seu partido.

 

A estratégia de comunicação política de Pedro Passos Coelho, de forma consciente ou não (embora eu acredite pouco em movimentos espontâneos), foi sustentada por um triângulo de influência cujos vértices foram a opinião pública, os media e os militantes do PSD. A triangulação entre os media, principais influenciadores da opinião pública, a opinião pública que foi revelando a sua opinião nas várias sondagens à população encomendadas pelos media  e os militantes do PSD, influenciados pelos media e pela opinião pública, resultou numa votação no novo líder que não deixa qualquer dúvida sobre a sua base de sustentação.

 

Acredito que Passos possa estar a poucos passos de ser o próximo primeiro-ministro de Portugal porque os militantes do PSD perceberam estes sinais e resolveram fazê-lo seu líder. Estes passos deverão passar pelo desenvolvimento de uma estratégia de comunicação centrada na sua imagem, no conhecimento sobre os temas que mais preocupam a opinião pública e na capacidade de interacção com a agenda mediática.

publicado por uriel oliveira às 15:43
link do post | comentar | favorito
partilhar
Segunda-feira, 7 de Setembro de 2009

A polémica do Jornal Nacional

Apesar de ser público que o primeiro ministro recorre habitualmente a serviços de assessoria mediática, eu continuo a pensar que ele precisa de um bom media training, afinal, cala-se quando deve falar e fala quando deve estar calado, o que tem tido consequências desastrosas na sua imagem.
O episódio de afastamento do Jornal Nacional de Manuela Moura Guedes, que tem agitado nos últimos dias a campanha eleitoral, é mais um exemplo de falta de oportunidade de Sócrates nas suas declarações à comunicação social. Desde quando o primeiro ministro comenta decisões de uma empresa privada? O único comentário possível perante esta decisão da Prisa, é “não faço comentários” - O primeiro ministro não comenta nem opina sobre decisões do foro interno das empresas. Ponto final. Uma vírgula a mais do que isto é alimentar a polémica.
Em relação à decisão propriamente dita, só peca por ser tardia. A Manuela Moura Guedes é um atentado ao jornalismo sério em Portugal, pelo que, sem o marido para a segurar, a decisão parece-me normal e previsível. Para mim esta polémica, aproveitada politicamente ao máximo, foi ateada pelo próprio Moniz quando ao sair da TVI disse que seria um escândalo tirar a MMG do ar. Eu acho que seria um escândalo mantê-la.
publicado por uriel oliveira às 10:52
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. Os ratos da política

. Era uma vez na América...

. O novo líder do PSD

. A polémica do Jornal Naci...

. O que os políticos fazem ...

. O Rei do Carnaval

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds