Sábado, 18 de Julho de 2009

Grupos de media de cabeça perdida

A crise que vive a comunicação social, está a fazer com que os donos dos grupos de media europeus estejam a perder completamente a cabeça e em vez de tentarem procurar soluções que lhes permitam reinventar os seus business plan, andam desnorteados a lutar contra moinhos de vento.
Esta é a sensação que tenho perante a assinatura de um documento que designaram “Declaração de Hamburgo” e entregaram à Comissão Europeia, tendo como objectivo a protecção dos direitos de autor na internet.
Na minha perspectiva, não faz qualquer sentido a pretensão de exigir aos agregadores de conteúdos o pagamento pela pesquisa e referência às suas notícias, que por sua vez são disponibilizadas sem qualquer custo nos seus sites! Este pressuposto vai contra a lógica dos motores de busca e com isto contra a lógica da própria internet.
 
Se os media querem cobrar pelos conteúdos, então devem condicionar o acesso aos seus sites apenas aos utilizadores pagantes, que aliás é o que defendem alguns meios norte americanos de grande dimensão. Para mim, ninguém está disposto a pagar por aceder a notícias na web e o futuro dos media passa necessariamente pela sua capacidade de gerar receitas publicitárias, mas há quem aposte que este vai ser o futuro. A ver vamos…
Na verdade o que os grupos de media que assinaram a Declaração de Hamburgo pretendem fazer é conciliar o inconciliável, ou seja, por um lado mostrar grandes números de audiência que lhes permitam aumentar as receitas publicitárias, e por outro lado cobrar o acesso aos conteúdos às entidades que lhes permitem garantir a maximização desses mesmos números.
 
O Google, perante a declaração de Hamburgo, disse e bem, que os sites que pretendam proteger os seus conteúdos, podem fazê-lo tecnicamente através de uma tecnologia denominada Robots Exclusion Protocol (REP) que permite controlar a divulgação de sites ou páginas de Internet nos agregadores de informação.
Isto quer dizer que a decisão de disponibilizar ou não os conteúdos parte dos próprios meios e não dos agregadores de conteúdos. Então porque não decidem fazê-lo? Fácil, não o fazem porque o Google e outros agregadores garantem-lhes ao mesmo tempo redireccionar pessoas para os seus sites, garantindo-lhes com isto visibilidade e consequentemente receitas publicitárias.
Com isto o que pretende exactamente a Declaração de Hamburgo? Pelas palavras de Francisco Pinto Balsemão, presidente do European Publishers Council, ao afirmar que a declaração é um apelo aos governos a nível mundial que apoiem o copyright de autores, editores e operadores audivisuais na internet, quase me atrevo a pensar que são subsídios estatais.
publicado por uriel oliveira às 15:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. Grupos de media de cabeça...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds