Terça-feira, 26 de Janeiro de 2010

Ajudar o Haiti

 

A responsabilidade social, a sustentabilidade e a solidariedade são valores que se manifestam no mesmo eixo da reputação empresarial e que são hoje fundamentais para todas as empresas e organizações. A sociedade espera que as empresas tenham “alma”, que tenham padrões de conduta social, interajam com os acontecimentos e assim criem uma identidade corporativa que sustenta toda a sua existência.

 

Encontrar na actualidade um plano de actuação, pode parecer um planeamento arriscado, na medida em não permite grande antecipação aos factos, mas é sem dúvida extremamente eficaz.

 

Intervir na reconstrução do Haiti, é uma oportunidade de comunicação excepcional para qualquer empresa que dependa de uma boa reputação. Enquanto o Haiti for abertura de noticiários em todo o mundo, a ajuda a este país fará parte das preocupações de todos, e isto é excelente para o Haiti e excelente para quem ajuda. Uma boa conciliação de interesses, que independentemente de existirem ou não segundas intenções, traz bons resultados para ambos os lados.

tags:
publicado por uriel oliveira às 08:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
partilhar
Terça-feira, 12 de Janeiro de 2010

Um plano para comunicar Portugal

 
Portugal precisa urgentemente de um plano global de comunicação. De todas as notícias veiculadas nos media do mundo com referência a Portugal, a esmagadora maioria está relacionada com futebol. Isto significa que não existe qualquer proactividade para provocar notícias nos meios de comunicação social estrangeiros, de forma a sustentar a reputação do nosso país fora de portas.
Na minha opinião, a estratégia correcta para inverter esta realidade e para “vender” Portugal no mundo, passa pela contratação de especialistas de comunicação locais que desenvolvam acções de relações públicas capazes de despertar regularmente a veiculação de notícias favoráveis nos media.
A melhor forma de projectar a nossa reputação está na criação de momentos de comunicação capazes de despertar os media para veicularem notícias favoráveis, que consigam estabelecer proximidades e interacções com os públicos alvo.
 A activação de um plano de comunicação nestes moldes, não seria assim tão complexo e muito menos muito dispendioso, sobretudo se compararmos com o custo do espaço publicitário que o Turismo de Portugal compra com alguma regularidade, nestes países.
publicado por uriel oliveira às 17:16
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. ainda o Euro 2012

. Contradição olímpica

. Madonna - Só se for em sa...

. Briosa: Uma marca com gra...

. O Pingo Doce está outra v...

. Um mundo melhor

. O campo na Avenida

. A crise portuguesa nos me...

. Afinal o golf continua a ...

. O poder da sugestão

. Champanhe Mumm com sabor ...

. Comunicar em roupa interi...

. Alerta de crise na Ensite...

. Os ratos da política

. O dia em que um sorriso p...

. O caçador _____ o urso

. O meu iPad

. Alegria

. A máquina dos U2

. Mais leitores por menos d...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds