Sábado, 1 de Agosto de 2009

O dia em que o Bill Gates saiu do Facebook

 

Não sei se a saída do Bill Gates do Facebook terá segundas intenções, ou não, afinal a Microsoft tem interesses no Facebook, mas também tem outros interesses, nomeadamente no que poderá ser o futuro da própria internet. Ninguém se pode esquecer que há 4 anos não existia Twitter e o Second Life era o que estava a dar! Acredito que o futuro não se esgote no Google, no Facebook, no MSN ou no Twitter e que está a ser planeado hoje…
 

No entanto, as razões que evoca para a saída parecem-me perfeitamente normais; ter  10.000 pessoas a adicionarem-no como amigo, parece-me muita gente!
De facto, a forma como algumas pessoas se posicionam nas redes sociais, construindo redes com milhares de contactos directos, parece-me que descaracteriza a própria essência destas redes. Afinal as redes sociais podem ser verdadeiramente úteis e divertidas, na medida em que nos conseguem aproximar dos nossos amigos, dos nossos conhecidos, de pessoas que não encontrávamos há imenso tempo, de pessoas que admiramos e eventualmente de pessoas com quem partilhamos interesses. Tudo o que for mais do que isto, e principalmente numa proporção exagerada, não tem qualquer piada. Acredito que o excesso de informação não é proporcional ao excesso de conhecimento, conduz sim ao perfeito desconhecimento.
O Twitter é a rede social mais permissiva a esta lógica, não é por acaso que cerca de 60% dos novos utilizadores desistem passado um mês. Não existindo a necessidade de autorizar os seguidores, e usando as “regras” de boa educação desta rede social, de seguir, quem nos segue, rapidamente se podem construir redes com milhares de pessoas. Aliás, com base nesta “regra” de boa educação do Twitter, reside o segredo do marketing pessoal na rede e faz com existam várias pessoas que seguem mais de 5.000 pessoas e são seguidas por um número idêntico de pessoas em Portugal e de várias centenas de milhar nos Estados Unidos.
 

Aqui fica uma reflexão sobre um marco que ficará para sempre na história das redes sociais: o dia em que o Bill Gates saiu do Facebook.

publicado por uriel oliveira às 10:09
link do post | comentar | favorito
partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. ainda o Euro 2012

. Contradição olímpica

. Madonna - Só se for em sa...

. Briosa: Uma marca com gra...

. O Pingo Doce está outra v...

. Um mundo melhor

. O campo na Avenida

. A crise portuguesa nos me...

. Afinal o golf continua a ...

. O poder da sugestão

. Champanhe Mumm com sabor ...

. Comunicar em roupa interi...

. Alerta de crise na Ensite...

. Os ratos da política

. O dia em que um sorriso p...

. O caçador _____ o urso

. O meu iPad

. Alegria

. A máquina dos U2

. Mais leitores por menos d...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds