Segunda-feira, 10 de Agosto de 2009

A crise da banca em Portugal

Estes dois takes da Lusa, foram ambos distribuídos no dia 29 de Julho, um às 11.33 e outro às 11.38.
Nos dias seguintes foi notícia que BCP, BES, BPI, CGD e Santander Totta, os cinco maiores bancos a operar em Portugal, aumentaram 24% os seus lucros no primeiro semestre, em termos homólogos.
A contradição que salta à vista, mostra bem qual a realidade da banca em Portugal e da banca na Europa. Enquanto que na Europa, a liquidez que os governos deram aos bancos está a servir como estímulo à recuperação económica, em Portugal serve para que os bancos aumentem cada vez mais os seus lucros.
É escandaloso o comportamento da banca em Portugal e é revoltante a conivência do governo português perante estes senhores. Os bancos em Portugal não são pessoas de bem, comportam-se como autênticos abutres e têm um só padrão de conduta: aumentar o lucro a qualquer preço.
publicado por uriel oliveira às 12:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
| | partilhar
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

BES prepara saída do futebol

O banco que investiu nos últimos cinco anos mais de 15 milhões de euros no futebol, que conseguiu resultados importantíssimos ao multiplicar o seu retorno várias vezes e sobretudo ao revitalizar a sua marca, propôs aos clubes um corte no orçamento.

A mim parece-me claramente uma má estratégia. Tudo o que conseguiu no futebol nos últimos anos, ao sair, facilmente será capitalizado para outra marca, que se for um banco, lhe vai trazer sérios prejuízos de imagem. Acredito que o Millennium bcp, apesar da crise, e apesar do momento conturbado que vive, esteja a “esfregar as mãos”, e que as recentes aproximações que tem vindo a fazer ao futebol não tenham sido por acaso.
É difícil alavancar hoje em dia um patrocínio no futebol, a concorrência é muita e a multiplicação de suportes e oportunidades aumenta essa dificuldade. O BES tinha conseguido uma estratégia de sucesso no futebol que agora deixa em aberto para ser continuada por quem vier a seguir.
O patrocínio não pode ser visto como um gasto, que se acciona em tempos de “vacas gordas” e se dispensa em tempos de “vacas magras”. Os efeitos de uma decisão desta natureza medem-se na relação da marca com o consumidor e consequentemente nas vendas.
Parece-me certa a decisão dos três principais clubes portugueses, que não deixaram desbaratar o seu principal activo e não cederam às pressões da crise que se anuncia. O futebol é o maior activo de patrocínio em Portugal, pelo que deve ser preservado e fundamentalmente gerido profissionalmente. Acredito que não faltem ofertas para estar presente nas suas camisolas, sem dúvida os melhores suportes de patrocínio do futebol português.
 
 
publicado por uriel oliveira às 11:34
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. A crise da banca em Portu...

. BES prepara saída do fute...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds