Sábado, 28 de Março de 2009

Gerir reputação a twittar

 

 

 

A simplicidade, disponibilidade e interactividade do Twitter estão possivelmente na base do seu sucesso e da sua rápida propagação na rede. Estar ao lado do nosso cliente no mesmo espaço, ao mesmo nível e com as mesmas condições, muda por completo a teoria da comunicação de massa conforme a aprendemos e obriga-nos a reposicionar por completo a forma como comunicamos e como gerimos reputação.

 
Como estar no Twitter quando somos uma empresa ou uma organização, parece-me uma boa questão para reflectir no âmbito desta temática. Assim, aqui ficam algumas ideias.
 
O primeiro passo para gerir reputação no Twitter é saber o que se diz no Twitter sobre a nós. Ter um sistema de monitorização é fundamental para poder intervir na comunicação espontânea que a nossa marca vai gerando dentro desta comunidade.
 
Depois avaliar qualitativamente os conteúdos, particularmente os positivos e os negativos, descartando as referências circunstanciais. O cruzamento da análise qualitativa com a relevância dos emissores, avaliada em função da sua network, permite-nos orientar a estratégia de actuação e prever os efeitos desta informação. Quanto mais followers o indivíduo tiver, maior a sua capacidade de influência.
A informação negativa deverá ter uma intervenção imediata, de forma a evitar rumores. A empresa deve assumir a sua posição em relação ao assunto de forma pragmática e sem deixar espaço para dúvidas. A empresa deve identificar-se e disponibilizar-se para esclarecer todas as questões que venham a surgir neste âmbito.
A informação positiva deve ser acompanhada atentamente de forma a avaliar os efeitos e poder tirar partido da discussão. Tratando-se de opiniões espontâneas ou tendências, deve evitar-se participar em nome próprio. A existir participação deve ser feita em nome de um ou mais consumidores para podermos maximizar e controlar os efeitos.
 
Na proactividade, ou seja, tudo o que partilhado pela empresa aos seus followers,  deve ter-se especial atenção que os conteúdos devem ser breves e construídos especificamente para 140 caracteres. Devem ser partilhados fundamentalmente eventos e iniciativas que possam motivar a interacção com os consumidores. As acções de comunicação no Twitter devem procurar a reacção da comunidade, criar interactividade e incentivar o WOM (word of mouth) .
 
E como já ultrapassei em muito os 140 caracteres, por hoje fico por aqui com a promessa de ir partilhando ideias, reflexões e experiências sobre esta temática e já agora aqui fica o meu Twitter :): http://www.twitter.com/urieloliveira
tags:
publicado por uriel oliveira às 13:56
link do post | comentar | favorito
| | partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 10 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. ainda o Euro 2012

. Contradição olímpica

. Madonna - Só se for em sa...

. Briosa: Uma marca com gra...

. O Pingo Doce está outra v...

. Um mundo melhor

. O campo na Avenida

. A crise portuguesa nos me...

. Afinal o golf continua a ...

. O poder da sugestão

. Champanhe Mumm com sabor ...

. Comunicar em roupa interi...

. Alerta de crise na Ensite...

. Os ratos da política

. O dia em que um sorriso p...

. O caçador _____ o urso

. O meu iPad

. Alegria

. A máquina dos U2

. Mais leitores por menos d...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds