Sexta-feira, 21 de Maio de 2010

Eu também quero tirar o azul da camisola do SLB

 

Aderi ao movimento que quer tirar o azul da TMN da camisola do BENFICA, porque para além de me parecer uma excelente ideia, tenho a certeza que quer o Benfica, quer a TMN ganham se conseguirem criar uma nova forma de fazer convergir as suas identidades para este patrocínio.

 

Esta ideia de impor a presença da cor TMN nas camisolas do glorioso, nunca deveria ter sido aceite pelos responsáveis do SLB e só pode ter partido de algum fundamentalista do branding que não percebe nada de patrocínios.

Um bom patrocínio não se impõe, adapta-se de forma a criar uma convivência harmoniosa que lhe permita desfrutar de forma passiva, mas não descomprometida da existência do seu patrocinado.

 

O movimento tem crescido nos últimos dias nas redes sociais e já tem presença no Facebook, Youtube, Petição Pública e Abaixo Assinado.

 

 

tags: ,
publicado por uriel oliveira às 10:58
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
| | partilhar
Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

A medição de contactos online

 

Um estudo da Dwell on Branding (aqui), conduzido pela Microsoft Advertising, defende a medição dos contactos resultantes da publicidade online com base no tempo de permanência dos indivíduos nos sites, em vez do actualmente utilizado CTR (click-through rate).

Este estudo defende a medição de contactos, ou o mesmo será dizer, a determinação do preço a pagar pelas campanhas online, com base numa fórmula apoiada na convicção que o tempo de exposição de uma publicidade num website, determina a sua percepção pelos visitantes desse website.

 

O que estamos a falar na prática é a medição baseada no GRP adaptada à internet, com tudo o que o GRP tem de bom e de mau. O GRP é a metodologia convencionada para avaliar pressão nos media tradicionais e é calculado tendo em conta o tempo de duração de uma mensagem e a sua audiência, partindo do princípio que toda a audiência percepciona uma determinada mensagem desde que ela tenha um determinado tempo de duração, no caso da TV, são 30 segundos.

Se ao contrário do que acontece hoje, a medição da publicidade online for determinada por um método desta natureza, interessa a todos os envolvidos no processo publicitário, menos ao cliente.

Colocar para segundo plano uma metodologia inequívoca e infalível de avaliação como o CTR, que é possível de fazer graças à própria natureza do suporte tecnológico, é como se de um dia para o outro voltássemos a escrever no papel em vez de no computador, porque era importante aumentar o volume de negócios da indústria da celulose!

 

É verdade que é preciso encontrar soluções que respondam de forma efectiva às necessidades do mercado publicitário online, na medida em que até hoje, apesar do seu valor indubitável, ele não se consegue valorizar junto dos anunciantes, como conseguem os media tradicionais, agora este caminho não me parece que seja a solução.

 

Quem aposta em publicidade online e não pretende interactividade com o seu cliente, não está a tirar real partido do meio onde está a publicitar, pelo que a criatividade deve passar necessariamente pela inevitabilidade do click e consequente medição das impressões criadas no site destino.

Na minha opinião, o caminho a seguir deve basear-se na valorização do contacto online, em detrimento do contacto vendido pelos media tradicionais, na medida em que é mais qualitativo, interactivo e a sua medição é objectiva.

 

Entendo que seja difícil de contrariar o argumento quantitativo dos media tradicionais, quando acenam com os seus milhões de contactos diários, difíceis de superar se medidos em clicks (em reacção ao estímulo publicitário), pelo que os anunciantes se pretendem contactar as massas, continuam a preferi-los, contudo o que eles vendem não é mais do que a sua audiência, ou seja, o número de pessoas que supostamente acompanham a sua emissão, não podem assegurar, sem utilizar uma suposição metodológica discutível, contactos efectivos, reais e tangíveis.

Ora, o online também pode fazer a apresentação do seu potencial através destes milhões, no entanto para avaliar a eficácia da sua comunicação, das suas acções publicitárias, e sobretudo para se fazer pagar pelos seus serviços, penso que deve basear-se cada vez mais no custo por clique, ainda que o custo destes contactos efectivos possa ser substancialmente maior.

publicado por uriel oliveira às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
| | partilhar

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. ainda o Euro 2012

. Contradição olímpica

. Madonna - Só se for em sa...

. Briosa: Uma marca com gra...

. O Pingo Doce está outra v...

. Um mundo melhor

. O campo na Avenida

. A crise portuguesa nos me...

. Afinal o golf continua a ...

. O poder da sugestão

. Champanhe Mumm com sabor ...

. Comunicar em roupa interi...

. Alerta de crise na Ensite...

. Os ratos da política

. O dia em que um sorriso p...

. O caçador _____ o urso

. O meu iPad

. Alegria

. A máquina dos U2

. Mais leitores por menos d...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds