Domingo, 4 de Janeiro de 2009

de mim consumidor, para ti consumidor

  

 

Talvez por sentirmos  que os media tradicionais se vão cada vez mais transformando em intermediários manipuláveis entre as marcas e os consumidores, uma nova geração de media, vai alterando por completo a lógica da comunicação empresarial.

Esta nova geração de media, vulgarmente denominada “social media” e que se expressa através de blogs, fóruns de opinião, redes sociais, etc, tem como característica comum o facto dos emissores e os receptores serem os próprios consumidores.
Os social media vão arrasando completamente com os conceitos da comunicação linear orientada a target groups, que suportaram as melhores estratégias de comunicação desenvolvidas nas últimas décadas, para recriarem o processo, colocarem o consumidor no centro, acrescentado ao conceito tradicional de comunicação, a interacção.
 
Os que ainda questionam a eficácia dos social media como veículos de influência em rede, respondam a esta pergunta: acreditam mais numa revista de viagens a dizer que o hotel X é espectacular ou num blog de um qualquer indivíduo a dizer que passou férias nesse mesmo hotel e que afirmou que a limpeza deixava muito a desejar?
Eu adoro viajar, tenho acesso privilegiado a todas as publicações sobre viagens e destinos, mas antes de decidir sobre um destino ou hotel, dou por mim a consultar tudo o que é fóruns, blogs e chats.
 
Como planear estratégias de comunicação perante este novo paradigma, é sem dúvida um dos grandes desafios que se coloca aos estrategas da comunicação empresarial, e que me proponho a discutir aqui.
Como inspiração deixo aqui os fundamentos da rede social criada por Barack Obama, que rompe com um ciclo, onde as campanhas presidenciais eram financiadas exclusivamente pelos grandes industriais e empresários, para uma nova abordagem, sustentada na relação directa com cada um dos seus eleitores, que ao mesmo tempo financiaram a sua campanha.
publicado por uriel oliveira às 17:18
link do post | comentar | favorito
| | partilhar
4 comentários:
De António Valle a 5 de Janeiro de 2009 às 18:04
Perante este novo paradigma acho que há um valor que tem que estar em primeiro ao planear uma estratégia de comunicação : ENVOLVIMENTO.
Se não conseguires que o teu público alvo se envolva, nunca vais conseguir que participem nestes social media.

Abraço :)
De uriel oliveira a 5 de Janeiro de 2009 às 19:00
Concordo com o envolvimento, mas repara, não existe um público alvo determinado, mas sim muitos indivíduos isolados que funcionam em rede, centenas ou talvez milhares... A questão é: como se comunica com cada uma destas pessoas de forma a poder envolve-las fazendo desencadear uma reputação positiva em rede? Se utilizarmos os pressupostos do modelo anterior e comunicarmos da mesma forma com todos não os vamos conseguir envolver, antes pelo contrário, por outro lado, se optarmos por falar individualmente com cada um deles teremos que multiplicar várias vezes os recursos que temos envolvidos no processo!
Para mim este é o verdadeiro desafio do estratega da comunicação do século XXI!
Aqui vai o que tenho andado a pensar sobre este assunto:
1º identificar os consumidores / emissores
2º saber o que dizem / pensam
3º qualificar o que dizem
4º qualificar a relevância da sua network
5º seleccionar alvos
6º interagir
De António Valle a 7 de Janeiro de 2009 às 00:23
Concordo em absoluto com o que dizes. Todas as "etapas" que apresentas são passos fundamentais para criar um envolvimento comunicacional eficaz.
Mas deixo-te uma questão, que também coloquei a mim próprio: Estas "etapas" não serão o que o estratega de comunicação "tradicional" também deve ter em conta?
Explico melhor: Também na comunicação "tradicional" vence o que melhor consiga comunicar "pessoalmente" com cada individuo. O que penso é que, também, na comunicação "tradicional" estas etapas começam a fazer cada fez mais sentido. É o que poderíamos chamar de glocalização " da comunicação. Comunicar de forma global, em massa, mas, ao mesmo tempo, individualmente, de forma local, identificando os consumidores / emissores; saber o que dizem / pensam; qualificar o que dizem; qualificar a relevância da sua network; seleccionar alvos e interagir.
Não sei se me consegui fazer entender. Mas tal como dizes este é um aspaço de debate e troca de ideias.

Se não percebeste alguma coisa, pergunta :) :)

Abraço,
António Valle
De uriel oliveira a 12 de Janeiro de 2009 às 18:15
a grande diferença é a quantidade de pessoas com quem falar e gerir motivações. :)

Comentar post

.uriel oliveira


. ver perfil

. seguir perfil

. 9 seguidores

.pesquisar

.posts recentes

. ainda o Euro 2012

. Contradição olímpica

. Madonna - Só se for em sa...

. Briosa: Uma marca com gra...

. O Pingo Doce está outra v...

. Um mundo melhor

. O campo na Avenida

. A crise portuguesa nos me...

. Afinal o golf continua a ...

. O poder da sugestão

. Champanhe Mumm com sabor ...

. Comunicar em roupa interi...

. Alerta de crise na Ensite...

. Os ratos da política

. O dia em que um sorriso p...

. O caçador _____ o urso

. O meu iPad

. Alegria

. A máquina dos U2

. Mais leitores por menos d...

.arquivos

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

.tags

. todas as tags

.feeds